Frete Grátis nos pedidos a partir de R$99,00

X

O que é afinal, Graphic Novels?

O que é afinal, Graphic Novels?

Texto escrito por Leocádia Costa

Muitos leitores ingressam no mundo literário como leitores de histórias em quadrinhos ainda na infância. Por muitos anos no Brasil, as histórias em quadrinhos foram consideradas uma “literatura menor” se comparado a outros gêneros literários como o romance, conto, crônica e novela. A partir de 2004 as graphic novels ou romances gráficos ganharam o público brasileiro promovendo um aumento de publicações nesse segmento e a visita de autores e ilustradores a eventos literários espalhados pelo país impressas em papeis de melhor qualidade, muitas vezes em edições de capa dura, sendo considerados por muitos um produto gráfico-editorial refinado.

Na 58ª Feira do Livro de Porto Alegre quando a Alemanha foi o país homenageado, o evento recebeu o quadrinista alemão Reinhard Kleist (autor de Jonnhy Cash, Castro, O Boxeador, todos publicados pelo selo 8inverso) que lançou livros e participou de palestras. A Feira promoveu esse intercâmbio entre autores e ilustradores. Assim, a também ilustradora e escritora gaúcha Paula Mastoberti (autora de Adormecida) participou como convidada de um evento dentro da Feira, coordenado por José Aguiar Osmose: Uma experiência de alemães e brasileiros em quadrinhos, onde apresentou o resultado de uma residência em Berlim junto com mais dois autores convidados. Desde então só vimos crescer o número de eventos, publicações e leitores de graphic novels em solo brasileiro.


Em outros países, entretanto, segundo o especialista em HQ Andreas Platthaus, “o romance gráfico já existe desde o final do século 19”, quando o gênero nasceu nos EUA. Atualmente, está passando por uma renovação na Alemanha. Em entrevista a Vitor Diel, em 2014, o autor Phillipe Charlot (da série Bourboun Street), comentou: “Prefiro o termo graphic novel porque na França, quadrinhos estão relacionados mais com os gibis americanos de super-heróis. As graphic novels são muito importantes na França, é um gênero muito amado. Por isso, é fácil publicá-las e ter boas vendas. Os leitores são muito cabeça-aberta. Você pode apresentar histórias incomuns e ainda assim encontrar interesse. A França é um ótimo lugar para trabalhar com graphic novels”. Não à toa que os países que falam francês, entre eles: a Bélgica, Bulgária, França, Luxemburgo, Moldávia, e Suíça, seguidos da Albânia e Macedônia do Norte e com crescente popularização na República Checa, Eslováquia, Eslovênia, Letónia, Lituânia, Arménia e Polônia são um lugar já consagrado das graphic novels.

Dirigidos aos leitores classificados como adultos, os romances gráficos trazem uma história produzida em quadrinhos, mais longa e elaborada, semelhante às obras literárias em prosa e divididas entre ficção, não-ficção e antologias. As publicações costumam ter narrativas mais densas e complexas com foco no universo adulto com temas envolvendo artes, política, aventura, história e ficção os mais do público consumidor desse gênero.

O autor e o ilustrador da graphic novel têm como intenção serem contadores de histórias, independente dos parâmetros que regem o mercado. Não são livros dentro de um padrão fixo editorial podendo surpreender os leitores por seu caráter inventivo, inusitado e criativo dialogando com um público muito mais segmentado.

Conheça alguns títulos de graphic novels disponíveis no site www.besourobox.com.br 

 

 

NOTAS DE UM TEMPO SILENCIADO de Robson Vilalba
104 págs / 16 x 24cm / ISBN: 978-85-5527-007-9

O tom de denúncia e reflexão estão impressos de forma primorosa, por vezes irônica, pela arte e roteiro de Robson Vilalba, mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná, ilustrador e também designer gráfico do jornal Gazeta do Povo de Curitiba, Paraná.
Dos treze capítulos reunidos aqui, oito deles fizeram parte da série “Pátria Armada, Brasil” publicada pela Gazeta do Povo em março e abril de 2014. Sua intenção era resgatar fatos relativos aos 50 anos do Golpe de 1964, que derrubou o presidente João Goulart e deu início a 21 anos de ditadura militar no Brasil.
Notas de um tempo silenciado é muito mais do que um quadrinho nacional. É uma reflexão profunda, um olhar necessário sobre a ditadura militar no Brasil. Um mosaico de elementos que, em sua particularidade, revelam a cada capítulo, a cada traço, o que teria sido viver e sobreviver à ditadura e, hoje, poder contá-la.

 

 

JOHNNY CASH – UMA BIOGRAFIA De Reinhard Kleist
244 págs / 24 x 17cm / ISBN: 978-85-62696-01-5

Por seu lançamento na Alemanha, a publicação recebeu o prêmio de Melhor Livro de Quadrinhos Alemão nas Feiras do Livro de Munique e Frankfurt. De lá para cá, ganhou traduções em diversas línguas (espanhol, francês, italiano, grego, croata e inglês, entre outras) e foi premiada com o Max und Moritz de Melhor Graphic Novel alemã no ano de 2008. Em 2009, a versão em francês, “Cash – Une Vie”, recebeu o Les prix des ados no Festival Literário de Deauville, na França. Reinhard Kleist foi também indicado ao Prêmio Sondermann 2009 de Melhor Graphic Novel Alemã por seu diário de viagem Havana. Tradução do alemão de Augusto Machado Paim. Johnny Cash aqui é um solitário, um patriota, um rebelde contra o sistema do music business. A história, contada por um dos detentos da prisão de Folsom – palco de um dos mais famosos espetáculos da carreira de Cash - concentra-se nas décadas de 1950 e 1960, mas é enriquecida com passagens da infância e juventude de Johnny Cash, com recriações visuais de algumas de suas mais famosas canções. 

 

CASTRO de Reinhard Kleist
288 págs / 24 x 17cm / ISBN: 978-85-62696-06-0

A biografia em quadrinhos sobre Fidel Castro, de autoria do premiado quadrinista alemão Reinhard Kleist aborda a vida do líder cubano desde a revolução de 1958 até seu afastamento do poder. A obra foi escrita e ilustrada por Reinhard Kleist, tem prefácio do jornalista alemão Volker Skierka, biógrafo de Fidel que também contribuiu com a pesquisa histórica para compor os textos de “Castro”. Para melhor ilustrar a obra, Kleist passou um mês em Cuba, em 2008, o que lhe rendeu também o livro de viagem em quadrinhos “Havana”. A tradução de “Castro” é assinada por Margit Neumann e Michael Korfmann. Sinopse: um jornalista pesquisa a vida do líder rebelde Fidel Castro em plena Cuba, no ano de 1958. Subitamente, o jornalista se vê envolvido na revolução que mudaria Cuba e marcaria o mundo para sempre. 

 

BABY’S IN BLACK – O QUINTO BEATLE
De Arne Bellstorf / 208 págs / 17 x 24cm / ISBN: 978-85-62696-19-0

“Baby´s in Black, o quinto Beatle: a história de Astrid Kirchherr e Stuart Sutcliffe” foi publicado originalmente na Alemanha pela editora Reprodukt em 2010 e, desde então, ganhou edições na Espanha, Itália, Holanda, Inglaterra, Reino Unido, França, Dinamarca e Estados Unidos — onde obteve forte repercussão na imprensa, em veículos como a revista Rolling Stone, o jornal The Wall Street Journal e o site Huffington Post, e ocupou o 7º lugar na lista de campeões de venda, categoria graphic novel, do jornal The New York Times. A edição brasileira apresenta, o posfácio, escrito pelo jornalista, músico e radialista da Itapema FM de Santa Maria, RS, Márcio Grings.
Esse livro é considerado um best-seller pelo The New York Times. É pouco conhecida a história de Stuart Sutcliffe, o quinto integrante dos Beatles, que fez parte da formação original da banda. Ainda mais desconhecida é a triste história de amor que ele protagonizou com a fotógrafa alemã Astrid Kirchherr.
Sinopse: Hamburgo, 1960. Os Beatles, então um quinteto, fazem shows diários em um bar chamado Kaiserkeller, uma espelunca esfumaçada, frequentada por marinheiros, arruaceiros e marginais de todo tipo. O estudante de arte Klaus Voorman convence sua amiga Astrid a assistir a apresentação do grupo. Ela acaba se apaixonando por uma figura misteriosa na formação, um baixista que praticamente não olha para o público, usa óculos escuros e conserva um ar taciturno. Era Stuart. A relação do casal em Hamburgo nos anos 1960 ajuda a entender os primeiros anos da banda que redefiniu a música pop no século passado, revelando a influência de Astrid sobre o visual dos Beatles.

Comentários